sábado, 20 de maio de 2017

Final de Época




Confirma-se: 9º lugar, barreira dos 40 pontos ultrapassada, melhor prestação das últimas cinco participações e, o melhor de tudo, continuamos a crescer desportivamente, a estabilizar a nossa situação na Primeira Liga.

Como ainda não se falou de Setúbal, postura e abordagem sérias resultam na quinta vitória fora da temporada, num jogo típico de fora de casa na era Leal. Lição bem estudada, concentração, consistência defensiva e aptidão para, em contra ataque, ir criando perigo e ir tentando ficar por cima no desafio ou, no pior, controlando o perigo. Apertando, ir tentando controlar os danos o mais longe possível da nossa baliza. Check e três pontos.

Utilização do chinês efetuada (em jeito de check), deu para ver ainda a continuidade na evolução de Sampaio (desta vez como o melhor em campo), assim como a habitual influência de Espinho, também no momento defensivo.

O exemplo que vale a pena realçar, é o que faz a concorrência da lateral direita. Tivéssemos nós tão bem servidos nas outras posições... Saíu Edu, entrou bem Mesquita, quando até o inverso já tinha acontecido, ganhando a Equipa, claro.





Última jornada do campeonato para ganhar e festejar, claro. Superamos as expetativas e podemos, justamente, ser apontados como uma das sensações do campeonato.
Despedidas, ovações merecidas, agradecimentos mútuos, apoio incessante ao longo de todo o jogo e, sobretudo, relembrar e mostrar bem quem com tão pouco consegue fazer tanto. Pode não parecer, muitos podem nem acreditar muito menos perceber, a comunicação social esquece-se repetidamente de o referir, os comentadores ignoram. Mas é um exemplo claro do que o esforço e a Paixão conseguem fazer, mais que a quantidade, o dinheiro ou a mediatização.
Boavista dentro e fora das quatro linhas, just that. O esforço, o compromisso e a paixão, que foram imagem de marca esta temporada e permitiram-nos atingir os objetivos, mesmo que ainda com tantas dificuldades para podermos retomar o nosso caminho. O que fica: Continuamos a crescer.


Força Edu! Força Boavista!


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Vamos a Eles: Setúbal


Fábio Espinho foi o autor do golo da vitória no Bessa, na primeira volta.


Muito simples: três pontos para garantir o 9º lugar, a melhor classificação e o maior número de vitórias na Primeira Liga dos últimos dez anos, ou seja, das últimas cinco participações. Além disso, possibilidade de igualar o maior número de vitórias fora de casa dos últimos 15 anos (5, em 2004/05 - melhor só mesmo em... 2002, numa altura em que discutíamos o título).

Relativamente à classificação, e não dependendo do resultado do nosso último desafio no Bessa, arrumando já hoje a questão:
- empate garante, pelo menos, o décimo lugar
- derrota teremos que esperar que Chaves não pontue e Beleneneses não vença na última jornada.


Sobretudo, vai ser importante ver a reação depois do murro no estômago que foi o último jogo. É uma excelente oportunidade para limparmos um pouco a imagem da semana passada: há três meses que não vencemos fora de casa, sendo que nos últimos dez jogos realizados fora do Bessa, apenas perdemos dois, contra o terceiro e quarto classificados.

Curiosidade sobre as opções para o jogo e se vai haver alguma 'rotação' ou oportunidade para os menos utilizados. Mesquita e Bukia tem dado conta do recado (titulares nos últimos dois desafios, é expectável que assim continue), tal como Schembri. Relativamente à posição de ponta de lança, Bulos já está apto e, estando a 100%, será forte possibilidade que avance para o onze. Abordando o jogo a apostar na transição e numa postura de maior expetativa (como tem sido hábito fora de casa) é bastante provável que o peruano atue de início.
No meio campo, veremos se Carraça, Mackmudov e Rochinha somam mais alguns minutos, em princípio para as posições de Carvalho e/ou Espinho.
Na defesa, como sabemos, Aidi ainda não se estreou tendo aqui, provavelmente, a última hipótese de o fazer a titular.


Importante uma atitude e exibição que orgulhe os Adeptos, trazer os três pontos e assegurar a posição a meio da tabela.

Força Edu!

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Bilhetes


Tinha prometido só falar do último jogo depois do penúltimo. Normal, nada diferente por ser o úlitmo. Mas os 216 comunicados do Boavista sobre o assunto, a pressa que me incutem em garantir o bilhete e o frenesim que isto está a causar nos Adeptos fez-me mudar de ideias. O fresquinho Casal Garcia ao almoço ajudou, mas não teve um papel decisivo, asseguro.

Básico: complicar o simples. Por um lado o negócio, a receita, por outro a Paixão, o amor do Adepto pelo seu Clube. Tentar o equilíbrio entre ambos é, e deve ser sempre, a prioridade. Porque é Futebol. E quem não entende isto ou nem tenta perceber, não está do lado certo da barricada.



Todos percebem a necessidade do Clube em angariar a maior receita possível. Oportunidades como esta não há todos os dias, portanto há que explorar. Ok, entendido.


A venda antecipada dos bilhetes fará algum sentido. Poderão haver obrigações que desconhecemos, a venda antecipada implicará, logicamente, uma receita antecipada. Até aí, tudo bem.

A quantidade dos bilhetes disponíveis para o visitante é bastante superior à dos adeptos do Boavista. Bem, temos uma percentagem de ocupação do estádio, durante o ano, bastante baixa, não é segredo. Todo Topo Norte, níveis 3 da Nascente e Poente. Acrescente-se os níveis 1 e 2 da Poente, com vouchers, convites, bilhetes de patrocinadores. Alguém não percebe? Todos percebem e, esmagadora maioria, concordam.

O preço dos bilhetes. Aqui passamos um pouco ao lado. Há legislação para cumprir e há a fórmula oferta/procura. Algum Pantera não entende isto? Todos entendem. Neste caso, entendem e borrifam-se, porque as cotas estão pagas e o bilhete de sócio custa cinco euros, como habitual. Siga.


A partir daqui as coisas complicam-se. Algo como 'rapar o fundo do tacho', seja a que custo for, e remeto para o segundo parágrafo deste texto: isto é Futebol. Pode ser só um negócio para alguns, mas os adeptos, os nossos principalmente, estão longe de poderem ser encarados como meros... clientes. Friso: quem não conta com isto, não serve. Ou erra e corrige, ou simplesmente não pode voltar a errar.

Mas alguém acredita que os adeptos do Boavista que não dão cinco, sete ou dez euros para um jogo qualquer do campeonato, vão dar vinte para ver a última jornada? Não vão. Para ver o jogo, não. Para ganhar dinheiro com isso, aí a história já muda, como facilmente se constata dando uma vista de olhos nas notícias sobre o tema. "Pago vinte, vendo a cem, e coloco anúncio no OLX". É isto...


A ideia que passa é basicamente esta: o Boavisteiro leva o amigo/familiar benfiquista, se bem que, algo hipocritamente, ou leva o adereço pretendido escondido ou alguém lhe empresta um axadrezado. Com isto, são mais umas centenas de bilhetes vendidos a vinte euros. Admito que seja discutível, mas acho bastante difícil que valha a pena tendo em conta o sentimento que tudo isto provoca no Adepto. E no dia do jogo pode complicar bastante. Já basta fazer do Bessa galinheiro durante duas horas e meia...

Bilhetes de acompanhante num jogo destes. Fica a pergunta: era difícil evitar tudo isto e provocar este sentimento em todos nós Adeptos?

terça-feira, 9 de maio de 2017

Em Final de Contrato


A chegar o final da temporada, tempo para uma breve reflexão sobre o plantel e os jogadores que, segundo consta, acabam contrato no final da presente época.





Vagner - Não há muitas dúvidas sobre a sua utilidade. Emprestado pelo Mouscron, com quem tem contrato por mais uma temporada, dada a sua qualidade será difícil a contratação. Doze jogos como titular, praticamente desde a sua chegada. É uma posição que precisamos de reforços, caso o brasileiro saia será necessário um trunfo ainda mais forte.

Ba - Um gajo porreiro. 

Henrique - Começou como titular (10), depois de na época passada ser um dos jogadores mais importantes, formando uma boa dupla com Vinicius. Prometia algo idêntico, desta vez com Lucas, mas a lesão à décima jornada, em Vila do Conde (onde até fez um golo), impediu-o de dar o contributo durante grande parte da época. Regressou três meses depois, voltando a lesionar-se no derby no Bessa. Recuperado das lesões é um jogador a ter em conta., mas com este problema... fica difícil.

Sampaio - Não começou bem a época, mas o seu crescimento nos últimos tempos fazem com que haja poucas dúvidas sobre a sua utilidade. Sendo jovem e um dos mais antigos do plantel, seria positiva a sua continuidade. Difícil, mas positiva.

Carlos Santos - Dos que acabam contrato, é o mais antigo do plantel, cumprindo a sua quinta época no Boavista. Um dos menos utilizados (7), é um dos capitães e a sua continuidade é uma incógnita, como já é habitual. Que é jogador de balneário restam poucas dúvidas, e será esse o principal motivo caso renove.

Correia - Lembro-me da sua estreia na Vila das Aves, na nossa época do regresso. Um dos que mais agradou, prometeu bastante dada a sua velocidade. A defender mostrou bastantes dificuldades, o que para um defesa lateral é algo complicado. Ao contrário de Sampaio ou Carvalho, por exemplo, evoluiu muito pouco. A dispensa será o mais expectável.

Tengarrinha - Um dos capitães e um jogador que vai deixar saudades. Uma pena as lesões graves, mas a sua pouquíssima utilização fazem crer que não tem condições para continuar.

Carvalho - 27 jogos esta época, um dos médios titulares na era Leal, como médio centro (não ala). Cresceu imenso, ajudou muito na consistência da Equipa. Na minha opinião é claramente um jogador para continuar e, claro, lutar pela titularidade na próxima temporada.


Em suma:

Out - Ba, Correia e Tengarrinha

In&out - Santos e Henrique

In - Vagner, Sampaio e Carvalho.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

O Que Faz Falta...

Todos sabem: é animar a malta.


Quem diria? Manutenção no bolso, sem pressão dos pontos, vontade de mostrar serviço para o futuro próximo, honrar o símbolo, todas as condições reunidas para não se passar aquilo que se passou, perante o nosso público e frente a um adversário já despromovido. Más exibições, derrotas pesadas, erros individuais, por muito que custem e por muito criticáveis que sejam, não chegam a este nível de vergonha. E, depois do que foi escrito num dos últimos posts, custa ainda mais, há que admitir. Confiança nos nossos rapazes? Assim fica mais difícil, mesmo depois do que já conseguiram fazer. Ainda assim, enquanto se escreve por aqui, enquanto se lê por aí e enquanto digerimos e tentamos perceber o porquê da péssima postura dos nossos rapazes, estes gozam o seu segundo dia de folga. É a vida.


Vamos às notas:

- Mantiveram-se as três alterações, Schembri, Bukia e Mesquita. Acompanharam o menor fulgor coletivo, mas não destoaram pela negativa. Mesquita cumpriu, como o restante setor; Bukia teve uma exibição positiva enquanto teve forças e, sobretudo, discernimento para desequilibrar. Quando deixou de o ter, saíu e bem, entrando um dos melhores desequilibradores que temos no plantel. O maltês, menos apoiado que na última partida, conseguiu criar algum perigo, dar sequência a algumas jogadas e ser decisivo num dos golos. Acerca do falhanço do ano, é como disse Leal em sua defesa, "só não falha quem não joga". Excesso de confiança reprovavel, mas... acontece aos melhores, sendo ele um dos nossos melhores.

- Falamos acerca do meio campo e da opção Mack/Espinho/Carvalho. O brasileiro foi o preterido para este desafio, entrando Mackmudov para o seu lugar. Na prática, o azeri jogou mais perto de Schembri, mais ativo no último terço na maioria das vezes, fazendo com que Fábio Espinho atuasse numa função idêntica à que Carvalho costuma desempenhar. No final da primeira parte queixou-se de problemas físicos, fica a dúvida acerca da razão da sua substituição. Faltou-lhe agressividade na recuperação de bola e mais acerto na pressão, contribuindo para a incapacidade do meio campo em segurar e lutar pela posse de bola. Com bola, foi lento na maioria das vezes, decisões pouco arriscadas, passes pouco verticais quando tal era possível. Fica o registo para uma das poucas vezes em que conseguiu desequilibrar, oferecendo o golo que Espinho desperdiçou. Para quem precisava de mostrar serviço tendo em conta os poucos minutos que leva... deixou algo a desejar.

- Mas o mais negativo foi mesmo o mais evidente: a apatia e falta de intensidade, impossibilitando a Equipa de ter maior iniciativa e tomar as rédeas do jogo. E o estado do opositor ainda agrava mais a situação, pois defensivamente foi dos adversários mais acessíveis que passaram pelo Bessa esta temporada. Encaro a entrada de Carraça, para mais perto de Idris sem deslocar muito Espinho, como uma tentativa de corrigir esse aspeto. Mas não resultou. A abordagem e atitude não mudaram, a Equipa manteve-se encolhida, sem capacidade de pressionar alto a débil defesa adversária, e, salvo um par de contra ataques, muito raramente incomodou o guarda redes contrário. Pouco, muito pouco para quem tinha de fazer do desafio uma obrigação de conquista dos três pontos.

- Minimamente positivo, e que ajuda até a perceber a tendência da partida: Vagner (esperemos que mais ninguém no mundo esteja atento à sua qualidade, para talvez ser possível por cá continuar...), Lucas e Sampaio.
Mais uma boa exibição do brasileiro que igualou o número de jogos a titular no campeonato da sua primeira época, 21. Raramente perdeu um duelo, chegou quase sempre primeiro à bola, boa leitura dos lances. Continua a crescer, veremos como correm os próximos desafios.


Confiança na reação, segunda feira, em Setúbal, até porque "este Clube não se compadece com este tipo de entrega e é preciso os jogadores perceberem muito bem isso".

Até segunda.


Força Edu!

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Venham Eles: Nacional




Penúltimo jogo da época no Bessa e, muito provavelmente, a última oportunidade para fazermos da nossa casa aquilo que realmente merece ser e já o foi em tempos não tão longínquos quanto isso: a Fortaleza. Sobram motivos: podemos ultrapassar a meta dos 40 pontos, acimentar a melhor classificação dos últimos anos, celebrar - que bem merecemos - a excelente temporada que estamos a realizar, e ainda o bónus de mandarmos o adversário para a segundona.


De esperar oportunidades para os menos utilizados, como o treinador referiu, talvez desde logo mantendo as alterações da semana passada, todas elas em bom plano (Schembri, Mesquita e Bukia). Sendo pouco provável mais mexidas na defesa e linha da frente (Aidi, the black chinese?!), sobra o meio campo, um dos setores mais estáveis (e preponderante) ao longo da temporada. Idris praticamente sem substituto, Espinho um dos médios com mais capacidade de criação (e experiência), Carvalho um dos elementos de maior utilidade da Equipa e dos que mais contribui para o nível de consistência que conseguimos atingir.

Rochinha e Mackmudov serão duas das opções minimamente credíveis para o nosso meio campo, sendo que ambos parecem encaixar melhor, falando de características, na posição e função desempenhadas por Fábio Espinho. Ainda assim, ambos a alguma distância da sua responsabilidade na hora de defender e ocupar espaços. Em posse, serão sem dúvida os que mais se assemelham ao nosso número dez.
Embora Rochinha tenha sido mais utilizado como extremo/médio ala, julgo que será no meio campo ofensivo a zona do terreno onde poderá render mais.
Relativamente ao azeri, também o vejo mais como alternativa a Espinho do que a qualquer outro médio, mesmo que algumas das vezes seja utilizado no lugar de Carvalho. Mas não sempre e poucas vezes tal é possível, pelo menos sem danos na consistência da Equipa. Tivemos um excelente exemplo no desafio contra o Tondela:
bem menor exigência defensiva do meio campo, posse de bola maioritariamente nossa e no meio campo adversário, liberdade desse terceiro médio (então Carvalho) foi, ao contrário do habitual, maior e bem mais perto do último terço. Por isso fez sentido, naquele momento ou em situações idênticas, trocar Carvalho por Mackmudov (e, obviamente, a razão por não o fazer), sendo uma situação que se pode aplicar a muitos outros momentos da temporada e que pode ajudar a explicar o porquê do brasileiro ser um dos jogadores mais utilizados e, ao mesmo tempo, injustificar as razões para ser um dos menos apreciados pela massa adepta.


Seja com que onze for, todos os motivos e mais algum para confiarmos nos nossos rapazes. Três pontos, apoio incondicional, atitude dentro e fora das quatro linhas.


Força Edu!   

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Pantera Escondida#2 - Cafú




O homem da foto é Cafú, o avançado caboverdiano que representou o nosso Clube durante três épocas e meia, marcando 10 golos em 120 jogos.
Apesar de não ser um tecnicista, nem desequilibrador nato ou goleador, era um avançado possante e rápido, bastante competitivo, sempre aposta regular dos treinadores.
Contratado ao Belenenses, saíu para a segunda divisão alemã em 2006, seguindo depois para o campeonato cipriota, onde esteve durante 5 épocas. Regressou a Portugal para representar o Ac. Viseu, Feirense e Freamunde, estando presentemente no Salgueiral, apesar dos seus 39 anos. O que é um sinal do seu profissionalismo e exemplo para os mais jovens.

Não seria preciso relembrar, mas a foto diz respeito à nossa primeira vitória no Estádio do Dragão (e sua primeira derrota para o campeonato), golo marcado por Cafú já perto do final da partida, corria a época 2004/05.
Do plantel da altura faziam parte Lucas, João Vieira Pinto, Toñito, Cadú, Zé Manuel, e alguns Campeões, casos de Martelinho, Éder, Frechaut e, claro, o timoneiro Pacheco. Um dos maiores flops (mais mediáticos, pelo menos) da nossa história também lá estava no banco, Felipe Flores :) .
Acabamos a temporada em sexto lugar com 50 pontos, falhando o apuramento para as provas europeias.


Parabéns ao André Sousa, o primeiro a responder via Facebook :D

quarta-feira, 3 de maio de 2017

São 38




Uma pequena retrospetiva do que ficou por dizer neste último mês.

Dois estados de alma distintos que nos acompanharam nestes últimos tempos:
por um lado, o crescimento brutal da Equipa que teve início em outubro, por altura da entrada da nova equipa técnica, culminando no atingir da meta dos 30 pontos, tida como o objetivo principal. Uma das melhores defesas do campeonato, muito bom percurso fora de casa, duas derrotas em doze desafios, consistência, evolução da maioria dos jogadores. Priceless. E não esquecer nem fazermos de esquecidos como os críticos: os argumentos continuam a ser dos menos fortes entre as equipas com os mesmos objetivos que nós, o que engrandece o trabalho desenvolvido.
Por outro lado, os últimos jogos, praticamente desde que alcançamos a tal meta dos 30 pontos, mais ou menos desde o jogo com os nossos vizinhos (na jornada seguinte, fomos a Moreira 'carimbar' os tais trinta).
Inegável que perdemos algum fulgôr, como provam os cinco jogos sem marcar qualquer golo, ou uma única vitória em sete desafios. Mas, mesmo neste hiato de tempo, nem tudo foi mau e, opinião pessoal, muito pouca coisa foi tão mau como a maioria fez crer. Por alguns de nós, e pelos críticos alheios.

Muito se falou de atitude, de férias antecipadas, de falta de profissionalismo. Apontar esses motivos, quase em exclusivo, como fatores determinantes para a quebra de rendimento (mesmo exibicional), é algo que não estou de acordo. Houve, sem dúvida, algum relaxamento. Excesso de confiança? Desleixo? Talvez. Motivos físicos a, finalmente, darem de si? Muito talvez. Pouca margem de manobra no que diz respeito às opções (que 'resolvem' alguns destes problemas)? Outro talvez forte. Ainda assim, nunca em quantidade suficiente para se colocar minimamente em causa o trabalho da equipa técnica e, claro, dos próprios jogadores, realizado nos sete meses anteriores.

Então o que originou essa evidente quebra? Falta de concentração em alguns momentos decisivos, abordagens aos diferentes e exigentes desafios que revelaram algum excesso de confiança e, sobretudo, menor poder de reação (bastante menor) às adversidades, . E estas últimas ainda foram algumas. Parece pouco para explicar o mau momento? Admito que sim, mas tenho plena convicção que foi nestes fatores que residiram os problemas.

E há que falar também nas dificuldades, acrescidas por vezes, porque é de lembrar que não jogamos sozinhos. Nesta série (8 jogos, 6 pontos) por muitos apelidada de negra, reprovável e, admirem-se, para alguns suficiente para se pôr em causa a continuidade do treinador, jogamos contra cinco dos sete primeiros classificados; em dois jogos em casa, jogamos mais de 90 minutos em inferioridade numérica e, em ambos os confrontos (Paços e Rio Ave), acabamos por criar mais oportunidades para vencer os desafios.
Isto, obviamente, sem querer desculpar más exibições, que, não haja dúvidas, também as fizemos. Mas daí até colocar tudo em causa, passando por falta de apoio e acréscimo de pressão sobre tudo e todos, vai uma enorme distancia. E tremendamente injusto.

Por fim, veio o Tondela. As palavras do treinador terão tido a sua influência, as mexidas no onze também, o desejo de reação de todo o grupo igualmente, mas sobretudo foi um desafio em que conseguimos provar o evidente: somos e fomos melhores que o adversário. Mais difícil fazê-lo em Alvalade, em Guimarães ou Estoril, mesmo em casa contra equipas que lutam fortemente pela Europa, como Rio Ave ou Marítimo.

A jogada do 'tiki-taka', que, embora a passividade do adversário, é fantástica, não começou nos pés do Sampaio nem ganhou vida na abertura do Mack. Começou há seis meses, naquela vitória em Vila do Conde (faz amanhã meio ano, precisamente :) ), continuou a ser construída na dupla derrota caseira com o Vitória de Guimarães, por estranho que possa parecer. E isso, toda esse crescimento e evolução, não pode, de maneira alguma, ser esquecido. E sim, tem que ser levado em conta quando se fazem críticas demasiado destrutivas e quando o apoio incondicional é posto em causa.


É para rebentar com o Nacional, muitas contas para pôr em dia com estes bananas II. Manda-los diretamente para a segunda terá um sabor especial. Azar, toca a todos mas, como é habito dizermos, Boavisteiro não esquece, mesmo que mais de uma década tenha passado.


Força Edu!